Multimídia: Onde a luz não ilumina

Onde a luz não ilumina reportagem especial e de jornalismo de dados com famílias sem energia elétrica Santa Catarina Blumenau reportagem especial do jornalista Cristian Edel Weiss Cristian Weiss para RBS NSC Comunicação Jornal de Santa Catarina

Publicada originalmente no Santa em 7/9/2013

Clique para ver em pdf


Onde a luz não ilumina

Seu Miranda, Pedro, Laerte, Genésio, Sandra e as crianças moram em áreas urbanas de Blumenau e como 130 mil famílias do Brasil driblam a falta de energia elétrica com banhos de bacia, luz de vela e rádio a pilha

CRISTIAN EDEL WEISS
Reportagem
LUCAS AMORELLI
Imagens
VALQUÍRIA ORTIZ
Design
ADÔNIS BASTOS
Colaboração
CLEISI SOARES
Edição


Vidas de renúncia e abdicação


Para eles, a TV empoeirada renunciou à vocação de animar. A sala de estar tornou-se sombria. O banho esfriou. A luminária da varanda rendeu-se à penumbra. E os dias tornaram-se mais breves. Tudo o que se podia esperar de uma vida de esforços era desfrutar o conforto ao final de cada jornada. Mas Seu Miranda, Laerte, Pedro, Genésio, a esposa Sandra e as cinco crianças estão excluídos sempre que o sol se põe. Em casebres de madeira ou de tijolos nus, moram onde a energia elétrica não chega, seja por faltar dinheiro para o poste particular ou por viver em área de risco.

Habitam a zona urbana de Blumenau e como 130 mil famílias brasileiras veem a cidade se acender enquanto os lares são dominados pela escuridão. Eles têm água encanada e recebem correspondências. Gente que prefere a honestidade em abdicar o conforto à facilidade da ligação clandestina. No breu, Sandra deu à luz a filha caçula. Seu Miranda dedilha teclas da sanfona até o sono chegar. Laerte ouve novela no rádio a pilha enquanto sonha com um final feliz para si. Pedro reza por uma vida melhor:

– Acho que todo ser humano gostaria de ter o básico. Como energia para ter geladeira, freezer e televisão, um passatempo que me distraia.

Pelo menos 30 casas em áreas urbanas de Blumenau padecem da falta de energia elétrica e do conforto que a luz proporciona ao ser humano

Em 2010, pelo menos 30 domicílios do meio urbano blumenauense padeciam da falta de energia elétrica, segundo o censo do IBGE. Em Santa Catarina, dos 4.455 lares desprivilegiados, mais de 2,6 mil estavam no meio urbano. Embora a maioria seja de moradias em áreas pobres, em Blumenau havia registros até no Centro. Mas os números podem ter mudado, como o destino e as trajetórias das famílias. Somente após um mês de visita aos confins da cidade foi possível encontrar os moradores. Foram pelo menos seis casas. E no caminho, lares que nem sequer estavam no registro do IBGE.

O banho de bacia, o cheiro da vela, o alento do rádio a pilhas. Há anos, eles sabem bem como é viver sem eletricidade.

Onde a luz não ilumina reportagem especial e de jornalismo de dados com famílias sem energia elétrica Santa Catarina Blumenau reportagem especial do jornalista Cristian Edel Weiss Cristian Weiss para RBS NSC Comunicação Jornal de Santa Catarina

Na roça, Seu Miranda tinha luz

Ele derrota a solidão com a felicidade de avistar pela janela da frente um paraíso: o Morro Spitzkopf, extremo Sul de Blumenau. Aprendeu a ler no roçar das nuvens sobre o pico da montanha se o dia terá sol ou chuva. Numa transversal da Rua Belmiro Colzani, no Progresso, o pedreiro Vendelino Miranda orgulha-se da casa de madeira e tijolos que ergue mansamente, aos 83 anos. No terreno comprado há oito anos, enfrentou seis invernos banhando-se com bacia e água aquecida no fogão a gás. Por seis meses, viu a casa alumiada. A vizinha de baixo ofereceu o rabicho e um italiano da cercania entendido da luz fez a ligação. Mas, um ano atrás, chegou o fiscal. A vizinha, temerosa, recuou.

São 17h30min, hora de se acolher. Seu Miranda tateia pelo cômodo onde se espremem cama, mesa, bugigangas e fogão. Calibra a lamparina a querosene e a acende para o jantar. Deleita-se com a volta de linguiça e o pirão. A geladeira branca virou dispensa do que não demanda refrigeração e as quatro televisões adormecem sobre a estante. Mas o celular está ativo, carregado na vizinhança. No rádio a pilha, canções lembram romances do passado. Desde que a companheira Matilde se foi, tem sido assim.

Ele derrota a solidão com a felicidade de avistar pela janela da frente um paraíso: o Morro Spitzkopf. A geladeira branca virou despensa do que não demanda refrigeração e as quatro televisões adormecem sobre a estante. No rádio a pilha, canções lembram romances do passado.

Para ter luz, o vizinho estendeu quase um quilômetro de fios desde a rua principal. Mas Seu Miranda não tem R$ 1,6 mil para voltar a ter energia, como tinha na roça, em Apiúna. Aprendeu a tocar sanfona de ponto com 14 anos. Aos 18, descobriu a de teclas. Hoje, tece aspirações singelas e confidencia:

– Queria energia para tocar duas gaitas amplificadas e o cavaquinho no som.

Não que a falta de eletricidade o impeça de dedilhá-los:

– É meu passatempo. Um dia talvez a gente consiga luz outra vez.


Onde a luz não ilumina reportagem especial e de jornalismo de dados com famílias sem energia elétrica Santa Catarina Blumenau reportagem especial do jornalista Cristian Edel Weiss Cristian Weiss para RBS NSC Comunicação Jornal de Santa Catarina



Pedro quer luz para ler

No princípio, disse Deus:
– Haja luz!
E houve. E o mundo surgira das trevas, segundo o Gênesis. No casebre 29 do Morro da Figueira, no Bairro Velha Grande, Pedro Castanha Neto, 53 anos, gostaria que a solução para seus problemas fosse simples como a ordem do Altíssimo. Homem de fé, Pedro quer a luz que lhe falta há seis anos para ler. O terreno onde vive, comprou do irmão. Mas a área está sob proteção ambiental e não pode receber energia. O sofá azul-escuro da varanda conforta o encanador desempregado nas tardes solitárias. Pedro lê a bíblia, folheia livros cristãos e aprecia biografias como as de Ayrton Senna.

Por que os outros têm? Por que eu não tenho? Será que sou bandido, pessoa discriminada? Me sinto rejeitado na sociedade
Pedro Castanha

Morador sem eletricidade

Quem caminha pela Rua Maria Pinheiro da Silva é bem-vindo para uma prosa. Vizinho da frente, Otacir Antonio Ribas, 41, traz tábuas para a lenha. Amigo há 18 anos, o viúvo, seis filhos para criar, é quem o ajuda com mantimentos, guardados em potes plásticos por não ter geladeira. Otacir por vezes lhe oferece o chuveiro elétrico. Em dias quentes, toma banho de bacia. Por mais de um ano, Pedro esticou um rabicho do vizinho Paraná, até a polícia ameaçar prendê-lo. Decidiu, então, viver às escuras.

– Por que os outros têm? Por que eu não tenho? Será que sou bandido, pessoa discriminada? Me sinto rejeitado na sociedade – revela, ao ver as janelas da vizinhança se acenderem.

A casa de 10 metros quadrados é iluminada apenas por feixes da luz do poste que atravessam as frestas de madeira. No único cômodo, cama, duas mesas improvisadas, pia, TV portátil com rádio e o fogão a lenha branco. A casa era maior, mas um incêndio consumiu o quarto. Os três filhos e a esposa o deixaram há cinco anos. Por desentendimentos familiares, Pedro levou uma paulada na cabeça, que o deixou surdo e lhe tirou a força das pernas.

Pedro Castanha Neto gostaria que a solução para seus problemas fosse simples como a ordem do Altíssimo. Ao repousar, faz uma prece. Ao Criador, pede apenas que o ilumine.

Da casa de dois andares em Palhoça, carro seminovo e uma empreiteira que dirigia, hoje vive da ajuda da comunidade. O pai mora no Morro Dona Edith. Uma das irmãs vive em Abelardo Luz. Ambos poderiam ser refúgio nos dias difíceis, mas ele resiste:

– Não dá certo. Ele não combina comigo. Ela tem muitos filhos e pode dar atrito. Aqui não incomodo ninguém.

O relógio marca 19h e Pedro quer se deitar. Ao repousar, faz uma prece. Ao Criador, pede apenas que o ilumine.


A chegada da luz ao Vale

Blumenau carrega o pioneirismo na exploração da energia elétrica em Santa Catarina:


1883


A primeira geradora de energia do Brasil foi a Usina de Termelétrica de Campos (RJ), em 1883

1900 


Lampiões e velas iluminam casas. Empresas de Blumenau, como Hering, Karsten e Garcia, usam como força-motriz rodas d’água

1909 


Frederico Guilherme Busch Senior implanta em Gaspar Alto a primeira usina da região e passa a alugar energia a moradores e empresas

1915 


Um estudo de 1904 aponta a queda do Salto, no Rio Itajaí-Açu, em Blumenau, como ideal para uma hidrelétrica. A usina é construída em 1915, pelo grupo privado Bromberg, Hacker & Cia

1920 


O grupo se associa com empresários locais e cria a Companhia Força e Luz, que favorece o aparecimento de novas fábricas na região


1960 


Nos anos 1960, a Força e Luz é incorporada à recém-criada Celesc



Número de casas sem luz no Brasil

728.672 


Domicílios sem energia elétrica no Brasil


Onde a luz não ilumina reportagem especial e de jornalismo de dados com famílias sem energia elétrica Santa Catarina Blumenau reportagem especial do jornalista Cristian Edel Weiss Cristian Weiss para RBS NSC Comunicação Jornal de Santa Catarina


Onde a luz não ilumina reportagem especial e de jornalismo de dados com famílias sem energia elétrica Santa Catarina Blumenau reportagem especial do jornalista Cristian Edel Weiss Cristian Weiss para RBS NSC Comunicação Jornal de Santa Catarina
Reportagem foi manchete do Santa: Vida às escuras - a dura rotina de quem mora em Blumenau sem o conforto que a eletricidade proporciona



Da janela, Laerte vê a cidade se acender

Os olhos esmeralda de Laerte Loli, 47 anos, brilham com as luzes que se acendem no Vorstadt e na Ponta Aguda a cada anoitecer, enquanto, dentro de casa, o escuro toma conta. A morada 73 da Rua José Isidoro Correa, no Morro da Pedreira, ergueu com tijolos por R$ 3,2 mil. Morava um pouco abaixo há seis anos. Mas trocou a casa com o antigo dono de onde vive hoje, que lhe propôs a barganha após desentendimento com os vizinhos. Um trato pouco lucrativo, pois meses depois o ex-parceiro de negócios arrumou a rede e instalou luz na nova casa. Laerte permanece no escuro. Admite não ter se informado sobre o que precisa para ter energia.

O lampião quebrado acima da porta é mera decoração. À noite, acende velas e prepara o chimarrão. As banquetas, uma cadeira de madeira, a cama de solteiro e mesas improvisadas se espremem no cômodo de 12 metros quadrados. No banheiro em construção, banho só de caneca e bacia. O fogão a gás aquece a água e cozinha o arroz, as verduras e a carne, comprados em porções, por faltar refrigeração.

Em seus dramas reais, descobriu que sonhar é mais edificante que a ambição do conforto moderno. Com 20 anos, queria ser humorista, mas foi barrado pela timidez. 

Laerte não tem emprego fixo, mas orgulha-se do legado. Chegou a Blumenau em 1986 e edificou um dos primeiros prédios da Ponta Aguda, a sede da Caixa Econômica, o Viaduto da Via Expressa, reformou a Câmara de Vereadores e a rede de esgoto do Garcia. Os 15 anos de carteira assinada e a oitava série não lhe dão garantias e, assim, a depressão o persegue. Laerte sente falta do pai, que se foi há um ano e meio. Revisita fotografias, recorda do filho de oito anos doado a uma família italiana. Para superar a solidão, sintoniza o rádio a pilhas nas estações AM, FM e canais de TV. Fim da noite, deita-se, ouve mais um capítulo da novela e sonha com os desfechos da ficção.

Em seus dramas reais, descobriu que sonhar é mais edificante que a ambição do conforto moderno. Com 20 anos, queria ser humorista, mas foi barrado pela timidez. Guarda duas passagens compradas por R$ 1,2 mil, em 2009. Em janeiro, voou de Navegantes a São Paulo. Em novembro, foi ao Rio de Janeiro. Nas duas viagens, teve dinheiro apenas para ir ao aeroporto e retornar de imediato. Nem sequer pisou o solo das metrópoles.

– Queria voar de avião. Era um sonho. Se pudesse, queria ir para o estrangeiro, para Nova York.

Mesmo sem a definição dos problemas, traça planos. Os olhos esmeralda brilham novamente: Laerte quer conquistar uma família.


OPINIÃO

"Ter energia é ter qualidade de vida"


Ricardo Bortoli


Coordenador do curso de Serviço Social da Furb



Na sociedade em que a gente vive, a eletricidade é uma necessidade básica para qualquer ser humano. A Constituição de 1988 traz o direito de acesso à moradia, saúde, alimentação e lazer como primordiais. Não ter acesso à energia é um sinal de que o indivíduo está em vulnerabilidade extrema e, com certeza, excluído dos outros direitos. Até mesmo o acesso à informação essas pessoas estão impedidas de ter, já que não podem ter rádio, televisão ou computador. A eletricidade é primordial para ter o mínimo de qualidade de vida. 



No passado, a cultura era diferente. Hoje, a energia está presente em tudo. Trabalho há 10 anos como assistente social em Blumenau e conheço cada canto desta cidade. Já encontrei famílias que estavam sem luz por não pagar a conta. Mas desconhecia que havia pessoas sem acesso à eletricidade há tanto tempo. 



O município ou o Estado devem garantir o acesso à moradia, para a segurança das famílias e crianças. Este parece um processo de exclusão e não acesso aos bens de consumo. Seja por falta de esclarecimento ou de políticas públicas. O Estado não chegou até essas famílias.



Onde a luz não ilumina reportagem especial e de jornalismo de dados com famílias sem energia elétrica Santa Catarina Blumenau reportagem especial do jornalista Cristian Edel Weiss Cristian Weiss para RBS NSC Comunicação Jornal de Santa Catarina



Chiara veio à luz na escuridão



Se a vida começa ao renunciar à escuridão do ventre para enfrentar as luzes do mundo, Chiara quase contradiz a lei da natureza. Às 20h do dia 7 de dezembro de 2012, Sandra Marques, 37 anos, sentiu as contrações do parto se intensificarem. O marido, José Genésio Duarte, 44, responsável por trazer ao mundo pelas próprias mãos outros quatro filhos do casal, colocou colchão, almofada e cobertores na sala. Às 22h16min, nasceu Chiara, hoje com oito meses.

Quando a menina chegou, a família estava nove meses sem eletricidade. A sala do parto foi iluminada por lâmpada de emergência a bateria e velas. O corte da luz ocorreu por atrasos no pagamento das faturas. O lar da família fica entre o Morro do Aipim e a Rua Pedro Krauss Senior, no Vorstadt. Na vizinhança, a casa abaixo foi atingida por deslizamento em 2008. Desde então, vizinhos têm dificuldades para religar a energia. Precisam do aval da Defesa Civil. Há dois meses, a família juntou R$ 800 e quitou a dívida com a Celesc.

– Agora que a gente teve condições de pagar à vista, eles não estão querendo liberar porque o poste está na área de risco. Fico triste, magoada. TV, banho quente, não temos – lamenta Sandra.


Se a vida começa ao renunciar à escuridão do ventre para enfrentar as luzes do mundo, Chiara quase contradiz a lei da natureza. Quando a menina chegou, a família estava nove meses sem eletricidade. A sala do parto foi iluminada por lâmpada de emergência a bateria e velas.

Genésio é engenhoso. Fez um balanço no fundo de casa para os filhos Gensan, 13 anos, Sangen, 11, Shairy, 8, Guindairy, 3, e o Tigrão, rottweiler que guarda a casa. Sandra sai às 6h30min para o CEI Pedro Krauss, onde trabalha, com as duas caçulas. Genésio se divide em dois empregos, mas acompanha os maiores até o Colégio Pedro II. Voltam para casa às 17h45min.

Sandra acende a vela, esquenta água no fogão e dá banho nas crianças. O mais velho prepara o café no bule, pois a cafeteira, assim como o micro-ondas, a geladeira e as panelas elétricas, está aposentada. Genésio alimenta o gosto pela leitura e espalha pela casa revistas e livros. Gensan chegou a ocupar o topo da lista dos que mais emprestam livros da biblioteca da escola. Apesar das adversidades, a família segue unida a cada luz que se cintila.

– Os outros têm eletricidade, nós temos um ao outro e damos um jeitinho – finaliza Genésio.



Cidades superam o campo em moradias sem luz

Santa Catarina destoa da realidade nacional. Das quase 730 mil moradias sem eletricidade no país, 81,7% estão na zona rural, segundo o Censo 2010. Até mesmo no Rio de Janeiro e em São Paulo os moradores do campo formam a maioria desprivilegiada. No Vale do Itajaí, entre áreas urbanas e rurais, há 430 moradias no escuro, 310 nas cidades. Pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Antenor Lopes de Jesus Filho reconhece a raridade do fenômeno e analisa:

– O ser humano tem necessidade de se sentir bem. Ao iluminar a residência, pode ter mais horas de lazer. De forma geral, a inclusão energética aponta para a direção da inclusão social, econômica e integração com a sociedade.

Nas favelas cariocas, a pesquisadora do Programa de Planejamento Energético da Coppe/UFRJ, Claude Cohen, observou que devido à dificuldade de pagamento, famílias de baixa renda recorrem às ligações clandestinas:

– O principal argumento é o valor da tarifa. As pessoas se acostumaram a usar equipamentos e foram adquirindo cada vez mais. A energia elétrica é essencial. Não dá para imaginar uma inserção na área urbana sem energia.


Em Blumenau, casas sem energia ficam em ruas de placa amarela, mas número de lares no escuro pode ser maior do que o registrado pelo IBGE 

Ligações clandestinas são proibidas por lei. Mas as conexões entre vizinhos – rabichos – são liberadas desde que o consumo seja regulado por medidor. Segundo o gerente regional da Celesc, Claudio Varella, a ligação é possível desde que o terreno esteja legalizado, fora de área de risco e as especificações técnicas sejam atendidas.

O número de casas sem eletricidade pode ser maior do que aponta o Censo 2010, estima o diretor de Regularização Fundiária de Blumenau, Sérgio Luiz Nunes. Residências como a de Laerte, Pedro, Seu Miranda e Genésio estão em ruas de placa amarela, irregulares ou em área de risco geológico. Nessas regiões, o Ministério Público proibiu prefeitura e Estado de fazerem ligações.

O município está recadastrando famílias que vivem em 17 áreas vulneráveis para propor projetos habitacionais e removê-las. Na última década, a União promoveu programas de acesso à energia: o Luz para Todos, para a área rural, e a Tarifa Social, que dá desconto na tarifa a famílias inscritas nos programas sociais do governo.


Assista abaixo ao curta produzido nesta reportagem:





Voltar para a Portfólio Ir para Especiais Multimídia Ir para Jornalismo de Dados Voltar para a Home

Nenhum comentário:

Postar um comentário